Cadastre-se para receber novidades

Nome Email
Área Restrita




Esqueci a senha

Notícias

03/07/2015
Presidente da Petrobras não descarta reajuste da gasolina neste ano

Em sua primeira entrevista após anunciar uma "dieta" drástica nos investimentos da Petrobras, o presidente da companhia, Aldemir Bendine, 51, não descartou um reajuste no preço da gasolina até o fim do ano. Não enxerga, contudo, necessidade de um aumento agora.

"Não dá para garantir que não haverá", disse ele à Folha nesta quarta-feira (1º).

O aumento mais recente dos combustíveis foi em novembro de 2014 -3% na gasolina e 5% no diesel nas refinarias.

Desde que assumiu o comando da petroleira, em fevereiro deste ano, Bendine já conseguiu aprovar o balanço da empresa com uma amarga conta de corrução, R$ 6 bilhões, e reviu o plano de negócios da petroleira dentro de parâmetros considerados mais realistas pelo mercado.

Apesar das vitórias, ainda pairam dúvidas sobre a imunidade da diretoria em relação à interferência do Palácio do Planalto contra reajustes nas bombas de combustíveis. Contra elas, afirma: "Não nos sujeitamos nem a um [mercado] nem a outro [governo]."

O executivo prometeu preservar os ativos do pré-sal da lista de projetos à venda e condenou mudanças no regime de partilha neste momento. Sinalizou, contudo, que uma solução intermediária, como a de dar a preferência no lugar de obrigar a Petrobras a ser a operadora única dos campos licitados, pode ser um caminho.

Criticado reservadamente pela antecessora Graça Foster por não ter familiaridade com o setor de óleo e gás, o ex-presidente do Banco do Brasil devolve com uma provocação: "E você acha que o problema da Petrobras é de petróleo?".

Folha - Como a Petrobras saiu de um estado de euforia, com o pré-sal, para um estado de decepção?

Aldemir Bendine - Acho que o grande componente foi a reversão no mercado de petróleo. Tínhamos uma situação de preços de barril acima de US$ 100.

Mas o mercado despenca e, em 2014, o barril caía a menos de US$ 50 diante de excesso de oferta e da baixa demanda. Assim, não há o que segure.

Mas foi também por incompetência. O balanço da Petrobras mostrou isso.

Difícil falar de passado. Não sou engenheiro de obra pronta. Temos um quadro de grande excelência e operamos hoje uma das melhores reservas de petróleo do mundo, o pré-sal. A Petrobras está se reposicionando. Não vamos olhar para o retrovisor.

E como é redimensionar uma empresa cujo barril valia o dobro pouco tempo atrás?

Tem que haver busca frenética por eficiência. Vamos reduzir custos internos. Fazer novos negócios para melhorar fluxo de caixa. Vamos negociar preços com fornecedores. Haverá integração do modelo de gestão das refinarias.

E essa dieta Ravnena (dieta alimentar da presidente Dilma Rousseff) nos custos?

[Risos]. Hoje não temos uma operação unificada de logística. Vamos concentrar. Vamos cortar o efetivo da comunicação, a Folha noticiou, num primeiro momento, em cerca de 50% [hoje há mais de mil funcionários na área]. Vamos terceirizar atividades menos nobres.

Encontrou estrutura muito inchada?

Diria que estava longe do adequado para uma empresa dessa magnitude. Modelo de operação verticalizado e pesado. A Petrobras precisa ficar mais leve, ter mais segurança na tomada de decisão.

Que mágica vocês vão fazer para gerar caixa se só vender ativos não é suficiente?

Voltamos todos os nossos investimentos para a área de exploração de petróleo. Isso vai gerar mais receita. Além de geração de caixa que, de fato, não é suficiente, tem o plano de desinvestimento com venda de ativos que hoje não fazem muito sentido para nós. Vamos atrás de novos negócios, fazer consórcios para a área de refino.

A Petrobras admite ser sócia minoritária de projetos, como no setor de térmicas e de álcool?

Dependendo do segmento, sim. Se eu tiver condição de aprendizado e desenvolvimento de novas tecnologias, posso ser minoritário. Mas, sem nada em troca, nenhum ganho, não temos interesse.

Vai vender quais ativos?

Não vou falar, esquece. Se abrir, deprecio o valor do ativo.

BR Distribuidora foi lançada [pergunta feita após comunicado ao mercado].

Pretendemos fazer neste ano. Vamos fazer os estudos. Temos indicativos de que há interesse.

Vai ser por IPO?

Não há um único modelo de alienação desses ativos. Por que tenho necessariamente de fazer um IPO? Por que não posso, por exemplo, buscar um sócio estratégico? Não sei o que será feito. Mas eu tenho de surpreender o mercado, não posso ir a reboque dele.

Dos ativos já ventilados para venda, não se chega aos R$ 60 bilhões em cinco anos.

Eu diria que o mercado está precificando errado. Nós conhecemos os nossos ativos, nós sabemos. Aquilo ali não é futurologia. Não vamos trabalhar com expectativas que não podem ser atendidas.

E capitalizar a empresa?

Fora de cogitação.

Está falando dos fornecedores envolvidos na Lava Jato?

Tem Lava Jato, mas também fornecedores com dificuldades financeiras. Em relação ao câmbio, trabalhamos com as melhores previsões, mas os cenários podem não se concretizar, por isso vamos atualizar em dezembro. Acho que vamos entrar numa situação de caixa no fim do ano melhor do que agora.

Mas a Petrobras tem um problema sério com dívidas tributárias.

Vamos negociar para diminuir esse passivo com impostos, algumas dívidas a gente nem reconhece.

Fala-se em uma bomba de R$ 40 bilhões nos próximos dois anos. Esse número é realista?

De fato a empresa tem um passivo tributário alto e vamos buscar, pela via negociação, diminuir isso para não trazer impactos ao caixa da companhia.

Como vai resolver o imbróglio da Sete Brasil? Se fosse hoje, teria autorizado a joint venture [para produção de sondas de exploração]?

São cenários totalmente diferentes. O projeto, em si, é inteligente e benéfico para a empresa. Nós poderemos ter impacto se houver atrasos ainda mais consideráveis para destravar isso.

Por que o BNDES desistiu de financiar o projeto?

Não posso falar por eles.

Haverá venda de ativos do pré-sal?

Não está no plano de desinvestimento da empresa nenhum ativo do pré-sal, pois se trata do nosso melhor e mais rentável ativo.

Analistas dizem que está tudo focado na venda de ativo, mas a geração de caixa está ruim. Não é o caso de aumentar a gasolina?

Primeiro que geração de caixa não está ruim, está equilibrada. Caso haja necessidade de correção de preços, por óbvio a empresa vai realizar. Entretanto, há que analisar que muitos analistas têm uma forma simplista em relação a esse cálculo. Além disso, estamos num cenário de baixa demanda de consumo.

O mercado fala em defasagem de 10% em relação aos preços internacionais.

Totalmente equivocado.

A política de preço será discutida na próxima reunião do conselho?

A empresa não se sujeita à volatilidade do mercado internacional, mas exercemos nossa política de preço diariamente.

E ao governo, a Petrobras se sujeita?

De forma alguma.

O sr. veio na pior crise da empresa. Aprovou o balanço, apresentou um plano de negócios considerado realista.

Teve ainda o financiamento no meio do caminho, que conseguimos.

Mas ainda há dúvidas sobre se a Petrobras está, de fato, blindada da interferência da presidente da República.

A empresa tem independência na sua política de preços e assim será. Seria mais fácil, neste momento de expectativa, promover um aumento, mesmo sem base. Mas não vamos nos sujeitar nem a um [mercado] nem a outro [governo].

No entanto, analistas, investidores e o mercado ainda têm muita dúvida dessa blindagem. Por que esses agentes devem acreditar na sua palavra?

Diante do que já foi realizado. O conselho de administração é independente, e a ele eu me reporto. Vamos atuar de acordo com as práticas de mercado. Essa angústia é visível. Entretanto, está muito mais condicionada a ranços do passado do que à real situação neste momento.

Dá para garantir que não haverá aumento da gasolina este ano?

Não. Não dá para garantir.

Em 2014, houve pressão forte da empresa para reajustar os combustíveis. Não há mais eleição, mas a popularidade da presidente está no chão. Como o sr. vai convencer a presidente a aumentar o preço?

Isso tem de ser feito ao conselho, não à presidente da República.

O sr. já disse que cumprirá a lei que o Congresso aprovar. Mas a Petrobras não consegue hoje ser a operadora única do pré-sal por falta de dinheiro.

Esse é um modelo extremamente benéfico para nós. Por óbvio a situação de caixa traz uma realidade de difícil execução caso houvesse um leilão do pré-sal neste momento.

Tenho convicção de que a União tem sensibilidade para não realização de leilão neste momento não só pela situação de caixa mas principalmente pela volatilidade do preço do barril. Não seria positivo neste momento.

Dilma Rousseff é contra uma mudança agora. Mas o ex-presidente Lula sugeriu substituir a obrigatoriedade pela preferência. Com qual deles o sr. fica?

À parte a empresa não se manifestar sobre tema referente ao Estado, pessoalmente creio que é inoportuna a discussão sobre o modelo de concessão. Isso cria ainda mais insegurança. Mas poderia ser uma alternativa que preservaria o interesse do Estado.

O governo discute o futuro das empresas da Lava Jato. O sr. defende que as empresas sejam salvas? Como evitar um novo "petrolão"?

Não me cabe comentar. Pessoalmente, é vital a empresa ter uma cadeia de fornecedores para conceber seu plano de negócios. Estamos revisando nosso cadastro com aplicação de medidas protetivas e de regras rígidas de controle nos contratos atuais e futuros. Decisões serão cruzadas e colegiadas, tudo subirá para o alto escalão. A partir de agora, nenhum contrato ou aditivo será implementado sem as devidas análises e aprovações.

Já sofreu pressão por indicação de cargos?

Nenhuma.

Sua antecessora reclamou para Dilma de que o sr. não entendia nada de petróleo quando foi escolhido.

Desconheço essa informação. Entretanto, você acha que o problema da Petrobras hoje é de petróleo?

Folha de São Paulo

« voltar
Vencimentos
Vencimentos Anteriores
Certidões
Receita Federal
P. Física
P. Jurídica
FGTS
Previdência Social
Pedido de Certidão Negativa de Débito
Consulta à Certidão Negativa de Débito - CND ou CPD-EN
Municipais
Serviços On-line
Estaduais
Certidão de Débitos Estaduais

Simples Nacional
Receita Federal
Secretaria de Estado da Fazenda / SC
Sintegra
Prefeitura Municipal de Blumenau
Desenvolvimento INFORMARE